MILAN FASHION WEEK

 

Milão está a congelar. Mas nem os 6 graus negativos impediram que a arte passeasse pelas ruas. Chegou aquele momento do ano em que a arte se mistura com a moda e a verdade é que, só esta quente combinação nos faz (por momentos) esquecer o frio que se faz sentir na cidade (a pasta também ajuda).
Para mim Itália é o berço da arte, conhecido por todo o seu legado artístico e o património inconfundível que se faz sentir em qualquer cidade italiana por entre a sua arquitetura imponente e as peças de arte espalhadas meticulosamente (e sem discrição) pelas ruas. E o berço da arte não podia ser melhor host para a semana da moda, e assim se fez. E é disto que vos venho falar: a Milan Fashion Week.
A Arte e a Moda andam de mãos dadas. E para mim moda é pura arte. Há peças de roupa que são dignas de museu, ora seja a icónica mala de viagem Louis Vuitton ou um vestido Céline ou até mesmo o famoso suit Yves Saint Laurent que são nada mais do que peças de arte de referência.  E esta semana da moda de Milão foi uma verdadeira exposição de arte. Admiro muito o trabalho dos artistas que expressam a sua arte de uma forma vestível, e este não é um trabalho nada fácil. Nesta edição, a MFW foi um verdadeiro espetáculo, onde os designers olharam para os desfiles de forma diferente-como o marcante desfile Gucci que desfilou as suas roupas num cenário de hospital onde os modelos carregavam as suas próprias cabeças e até houve espaço para um dragão bebé ou como a Dolce & Gabbana que fechou a semana com não 1, mas 2 desfiles- um para os seus clientes “reais” e outro para os restantes.
 
E como assumida obcecada por arte que sou, em todas as suas formas, também descobri na fotografia uma expressão desta minha paixão. Tive a oportunidade de conhecer a fotógrafa Dylia London, que muito admiro e que partilha da mesma visão e estética do que eu. A Dylia também andou pela MFW a captar esta arte que é a moda da maneira que só ela consegue fazer.

 

____________________________________________________________________________

 

EN 


Milan is freezing. But even the -6 degrees stopped art from roaming in the streets. It’s here, that time of the year when art mixes with fashion and only this hot combination can make us forget (for moments) the cold that is felt in the city (Pasta also helps…).
For me Italy is the center of art, known for all its artistic legacy and the unmistakable heritage that is felt in every Italian city among its unique architecture and  art pieces spreaded meticulously (and without discretion) all over in the streets. And the center of art couldn’t be a better host for fashion week, and so it was. And this is what I’m talking about: Milan Fashion Week.
Art and Fashion go hand by hand. And for me fashion is pure art. There are fashion-pieces that are real museum material , either the iconic Louis Vuitton suitcase or a Céline dress or even the famous Yves Saint Laurent suit that are nothing more than reference pieces of art. And this Milan fashion week was a true art exhibition. I really admire the work of artists who express their art in a wearable way, and this is not an easy job. In this edition, MFW was a real show, where designers looked at the fashion shows in a different way – like the remarkable Gucci fashion show that decided to put their clothes in a hospital setting where the models carried their own heads and there was even room for a baby dragon or Dolce & Gabbana closing the week with not just 1, but 2 shows – one for their “real” customers and another one for the rest.
 
And as an art obsessed that I am, in all its forms, I also discovered in photography an expression of my passion. I had the opportunity to meet the talented photographer Dylia London and her admirable work that shares the same vision and aesthetics as me, afterwords, how special is to find that ? Dylia also passed thru MFW to capture this crazy art that is fashion in the way that only she can do.