SATURDAY BRUNCH

Se eu fosse presidente a primeira lei que decretava era a lei da liberdade ao brunch. Vamos deixar o brunch ser livre, de ter a liberdade de sair à rua depois das 8 da noite. Sonho em poder pedir uma tosta de abacate à hora do jantar e acabar a noite com um cappuccino bem quente. Afinal, o brunch merece um pouco mais da vida do que aturar “Lazy Sunday Mornings” ou de curar ressacas de sábado à noite.
A Crave decidiu dar um pouco de liberdade ao Brunch (um bom começo para o meu decreto de lei) e deixá-lo sair de casa ao sábado (sim, porque depois de uma semana fechado na gaveta merece um pouco mais do que uma Sunday morning)
Assim, este sábado começámos o dia sem horas marcadas e com com um “Brunch of the Champions”, e o melhor de tudo- sem peso na consciência.
O espaço escolhido foi a Crave, o novo espaço saudável da cidade, onde para além das conhecidas bowls que já serviam ao almoço, passaram a dar lugar também a um brunch aos sábados. O Brunch é 100% saudável, com ingredientes naturais, vegan e delicioso. Comecei com uma obrigatória tosta de abacate (como não podia deixar de ser) com um delicioso sumo de abacaxi e gengibre, uma taça de açaí que, por momentos, me fez esquecer da chuva que caia lá fora e me transportou para o calor do Brasil. E por fim , um brownie saudável para finalizar em grande.
Tenho vestido: Um casaco Zara três números acima do meu , que foi a solução mais parecida (e socialmente aceitável) de trazer a minha cama ao brunch comigo, umas botas pretas de pele, um boné HM (para enfrentar um bad hair day) e uma carteira Parfois que dá o toque de credibilidade a este effortless look.
Mesmo sem ainda se ter candidatado, eu voto na Oprah para presidente dos EUA, mas por entre as suas importantes causas como a igualdade de género e inclusão social, fica a esperança para esta causa igualmente humanitária- A liberdade ao brunch.
COAT: ZARA | HAT: HM | PURSE: PARFOIS | BOOTS: ZARA

 

_____________________________________________________________________
If I was president the first law I decreed would be the law of freedom for brunch. We have to let brunch be free, to have the freedom to take to the streets after 8 pm.
My dream is one day, asking for an avocado toast for dinner, and cappuccinos in a bar- Why not?
After all, brunch deserves a little more of life than “lazy Sunday mornings” and to cure Saturday night hangovers.
So, this today I started my Saturday, without a schedule with  a “Brunch of the Champions”, and best of all – it’s healthy.
And there’s hope… Natural Crave, the new healthy spot in town, has decided to give a little freedom to our loved brunch and take it to Saturdays (it´s already a start for freedom…). Crave is a new space in town, where apart from the healthy bowls that were already serving for lunch, they added a Saturday brunch in the menu. The brunch is 100% healthy, all natural, vegan and with delicious ingredients. I started with the mandatory avocado toast with a pineapple and ginger juice, next a bowl of açaí that made forget the rain outside and transported me to the heat of Brazil. And finally, a healthy brownie to finish.
I’m wearing: A Zara jacket three numbers above mine, which was the most similar (and socially acceptable) solution of bringing my bed to brunch with me, a black leather boots, an HM cap (to face a bad hair day) and a Parfois purse that gives the touch of credibility for this effortless look.
Even with a candidate candidate, I vote on Oprah for US president, but by between as their imports as a gender equality and social inclusion, a promise for this equally humanitarian cause. Freedom to brunch.